Father and Daughter

Loading...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Quando me procuram para que eu avise a família de que alguma paciente está morrendo, torço para que ela esteja viva até os familiares chegarem. Rosa estava com 40 anos e um câncer de útero avançado, o sangramento aumentado estava consumindo com sua vida rapidamente. Percebi que não estavam dando sangue a ela e perguntei à enfermeira:  será que não seria melhor  darem sangue para ela? Só pensava nos familiares...
A enfermeira procurou na prescrição e o sangue estava prescrito. Pediu ao banco de sangue e logo em seguida a paciente recuperou um tom de vida nas faces. Conversei com uma colega sobre a impotência e a vontade de perguntar a paciente se ela não tinha algum recado para dar aos filhos, ao marido... Não é minha função. E nem ela tinha idéia de que a morte estava tão próxima. Situações destas são extremamente conflitantes e a equipe toda se sente tensa. No plantão seguinte fui logo procurar a paciente na lista: estava lá! E estava acompanhada de um filho, iria passar a noite com a mãe. Um final melhor do que eu esperava. O afeto estava lá. A morte prematura é sempre dolorida, mas a presença de amor e afeto nessa hora faz parecê-la mais digna.

Nenhum comentário: